terça-feira, 29 de julho de 2014

A Dama


Ao som do jazz e sob efeito de pelo menos quatro doses de Chivas ela discursava sobre coisas que faziam meu corpo reagir involuntariamente...
por Vezes me acalmava falando sobre planos de investimentos, jóias, perfumes ou sobre como preferia um "dezoito anos"
Entre uma tragada e outra de sua cigarrilha ela gesticulava balançando seu corpo e com os olhos fincados nos meus
Porém, as únicas coisas em que eu conseguia prestar atenção eram em como o arredondado dos seus seios era tão perfeito e em como ela conseguia ter um sorriso infantil com toda aquela sensualidade.... Talvez aquele fosse o mistério que me prendia a ela...
Eu me embriagava com um vinte e cinco anos, que mesmo ela reclamando também não largava...
Com o charuto que estava em minhas mãos com uma forte brasa
e todo aquele cheiro doce que suavemente vinha de sua nuca...
Uma boca quente
Um lençol de seda
Travesseiros molhados e um sono profundo.......
Não era o amor da minha vida....
Mas devo admitir que deixei dormindo, a mulher dos meus sonhos, dona dos meus mais obscuros desejos....

Nenhum comentário:

Postar um comentário