Pular para o conteúdo principal

A Dama




Ao som do jazz e sob efeito de pelo menos quatro doses de Chivas ela discursava sobre coisas que faziam meu corpo reagir involuntariamente...
Por vezes me acalmava falando sobre planos de investimentos, jóias, perfumes ou sobre como preferia um "dezoito anos"
Entre uma tragada e outra de sua cigarrilha ela gesticulava balançando seu corpo e com os olhos fincados nos meus
Porém, as únicas coisas em que eu conseguia prestar atenção eram em como o arredondado dos seus seios era tão perfeito e em como ela conseguia ter um sorriso infantil com toda aquela sensualidade.... Talvez aquele fosse o mistério que me prendia a ela...
Eu me embriagava com um vinte e cinco anos, que mesmo ela reclamando também não largava...
Com o charuto que estava em minhas mãos com uma forte brasa
e todo aquele cheiro doce que suavemente vinha de sua nuca...
Uma boca quente
Um lençol de seda
Travesseiros molhados e um sono profundo.......
Não era o amor da minha vida....
Mas devo admitir que deixei dormindo, a mulher dos meus sonhos, dona dos meus mais obscuros desejos....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Perdoa-me minha indiscrição
É que minhas palavras não permitem que eu me contenha
Elas saem, ousadas...
Perdoa-me todos os carinhos dispensados sem pudor
Sem pedir nada em troca
Nem um toque do teu olhar
Nem uma fagulha do teu medo
Perdoa-me todas as vezes que me anulei para te satisfazer
Peroda-me ter perdido toda minha personalidade para satisfazer tuas vontades
Carinhos que mendigam carinhos
Perdoa-me minhas verdades
As vezes não consigo fingir que não sei
Desculpa saber
Queria eu te esquecer
E não ter vontade de te matar
Toda vez que você me magoa
Que brinca comigo
Que me usa e diz que é pra eu não sonhar com nois dois
Me levou ao mais alto precipício me dizendo ser a vista mais linda que tem
de lá de cima me empurrou
Só que vou levar você
Vou feri-lo
Magoa-lo
Tudo isso por amor.
Perdoa-me.
Ele queria aquela dama menos que seu orgulho.
Mais que sua vontade.
Buscou-a em milhões de corpos, mas nunca encontrou-a
Voltas e mais voltas dadas obrigaram-no a parar, de tão tonto.
O passado nunca o havia obrigado tanto a olhar para trás.
Foi quando viu em sua frente.
Parada, quieta, calada...
Pegou sua mão e falou simplesmente:

- Siga-me.

Voltaram juntos.
Ela o estava esperando.